Planejamento da Redação Nota 1000 (Esquema Exclusivo)

4
7578

Nos últimos dias, tenho tratado muito sobre a noção de tema e de tese. Exemplifiquei a abordagem destes elementos com alguns parágrafos nos artigos já publicados (aqui) e nos vídeos do Youtube. Então, neste artigo, hoje, quero tratar sobre o PLANEJAMENTO (argumentativo) DO TEXTO.

Mas antes de retomar qual é a relação existente entre isso que mencionei acima, vamos relembrar o que é a redação do Enem. É de conhecimento público que o texto do Enem é “dissertativo-argumentativo”. Isso quer dizer que haverá um tema sobre o qual você deverá apresentar uma tese, ou seja, um posicionamento, que nada mais é do que uma afirmação, sendo esta, normalmente, uma causa ou uma consequência que problematizem o tema.

Uso palavra “normalmente” porque, em algumas vezes, a tese pode somente ser a afirmação de que existe “um problema” relacionado com o tema, sem necessariamente apontar, de forma específica, uma causa ou consequência “X”. Vou exemplificar as “formas da tese” em um outro momento.

Dessa forma, a construção da tese, se por causa e/ou consequência ou se por afirmação livre da existência do problema dependerá – subjetivamente – de cada autor. Sim, eu disse “subjetivamente”, porque subjetividade tem a ver com as escolhas singulares e próprias de cada sujeito-autor, o que NÃO se limita como “alguns” falam à presença da 1ª pessoa, conceito este que já está ficando bem ultrapassado.

Então, isso é a tese:   um aspecto-problema, a ser definido pelo autor, vinculado ao tema. Além dessa definição da tese, o texto dissertativo também exige uma abordagem do tema que priorize o tempo presente e/ou relacione com o futuro. Sendo assim, o verbo que predomina neste texto é o do presente, com algumas pinceladas de futuro (quando necessário).

Tendo por base essa breve noção de texto dissertativo-argumentativo, vamos pontuar os elementos do texto dissertativo-argumentativo: PLANEJAMENTO

Tema: é apresentado no comando da prova (primeiras linhas da tarefa de redação).

Tese: é a definição de uma ou mais situação-problema vinculada ao tema.

ARGUMENTO: o argumento é a parte mais importante do desenvolvimento. É ele que será avaliado nos parágrafos 2 e 3. Sendo assim, é de suma importância que você entenda o que ELE É e depois entenda COMO CRIÁ-LO.

Assim sendo, o argumento é uma ideia que pode ser materializada por meio de uma palavra, de uma expressão ou de uma frase com a finalidade de justificar/fundamentar a tese. Então, observe que o argumento tem relação obrigatória com a tese.

Disso é importante entender que o argumento fundamenta a tese e não o tema. Para ilustrar isso, vamos relembrar o tema 2015: ‘a persistência da violência contra a mulher’. O objetivo era fundamentar a tese que – como já mencionei – é a constatação de um fato-problema, o qual pode ser uma causa ou consequência desse tema, podendo esta (a consequência) ser apenas a livre afirmação da “persistência”.

No entanto, alguns alunos desavisados fundamentaram o tema, ou seja, provaram a existência da violência contra a mulher. Neste caso, infelizmente perderam bastante pontuação nas competências 2, 3 e 4.

A partir do entendimento de que o argumento comprova a tese, vamos agora compreender COMO CRIÁ-LO. Para isso, vou trazer um exemplo que está circulando nos meus artigos, para servir como um fio condutor de raciocínio e até de relação com os artigos anteriores:

Exemplo de introdução:

“Medo e pânico. Estes sentimentos dominam o pensamento de muitas mulheres que já viveram e outras que ainda vivem uma rotina de violência executada, normalmente, por seus namorados, maridos… . Nesse contexto de agressões, o que chama muito a atenção é que a violência praticada contra a mulher não é um fato novo, contemporâneo ou até da dita “modernidade”. Essa violência é atemporal. Ela persiste. Insiste. Diante disso, questiona-se: o que fortalece essa violência que atravessa o tempo e as gerações? A resposta para isso está dentro de nossas casas: ela está na educação seccionista do tratamento dado a seus meninos e meninas”.

Vamos relembrar: eu disse que o argumento tem relação íntima com a tese. O que vem a ser a tese no exemplo acima? A tese está na causa “educação seccionista do tratamento dado a seus meninos e meninas”. Pense comigo: COMO ESSA TESE FOI FORMADA? Ela não tem nenhuma ideia ‘original’. Nada do que foi dito ali é novidade, certo? Mas, mesmo assim, é algo interessante.

Então, nesse momento, vamos nos deslocar desse campo de noções sobre os elementos do texto e vamos e entrar no espaço onde as ideias nascem, materializam-se para poderem ser   para o texto. O nome desse lugar é PLANEJAMENTO. Vou exemplificar com um tema,  ok?! Olha só como se faz:

imagem 1

OBS.: Esse esquema/planejamento argumentativo pode ser pensado de forma horizontal, vertical, em caixinha, em bolinha, ou do jeito que você quiser. O importante é que você coloque em prática o que mostrei. O importante é o RACIOCÍCINIO desenvolvido.

Tendo PLANEJADO O QUE É O TEMA, A TESE E O ARGUMENTO, você então começará a redação, colocando na introdução: um contexto para o tema (que pode ser organizado, como já comentei em outro artigo, por meio de uma estratégia); também precisa apresentar o tema e a tese ou uma pista sobre ela. No desenvolvimento, a lógica é essa: Tema + tese + argumento + explicações. Relacionando esses elementos, você estrutura um parágrafo de desenvolvimento. O próximo passo é qualificá-lo com detalhada análise das relações de sentido entre frases, bem como o uso de elementos que deem ao texto uma estilística diferenciada (trabalharemos em próximo artigo)  e vocabulário de impacto, o qual centra em uma determinada seleção que também vou mostrar em outra oportunidade. Neste momento, você precisa entender essas relações mais básicas, mas que vão determinar sua evolução na redação.

Então, boa leitura e bom uso dessas informações!!!

Um beijão a TODOS!  ☺

Pati ☺

Comments

comments

4 COMMENTS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here